4 coisas que você deve considerar ao calcular o pró-labore

Autor: Organização
calcular o pró-labore

Você consegue separar bem as suas despesas pessoais das contas da oficina? Acompanha o fluxo de caixa e planeja as retiradas mensais? Somente quando essas questões estiverem resolvidas será possível definir corretamente o seu pró labore.

Se você, como dono da oficina, é ao mesmo tempo o único responsável pela parte técnica e pela gestão do negócio, sabe o tamanho do desafio que é não misturar as contas pessoais com as contas da empresa. Calcular o pró-labore no meio disso tudo é ainda mais complicado.

Erros são muito fáceis de serem cometidos em situações assim, mas claro que a culpa não é sua. Para evitá-los e calcular corretamente o seu próprio salário, com o equilíbrio necessário, é necessário delimitar um valor fixo mensal.

Isso mesmo! Nada de separar um percentual daquilo que sobrou, e muito menos abrir mão de parte do pró-labore para ajudar a saldar alguma dívida.

Para calcular o pró-labore corretamente existem algumas regras. Afinal, não dá para fazer uma retirada que pode abalar o caixa da empresa, nem tampouco ter que pagar para trabalhar.

Sem esse planejamento, além de gerar uma bagunça generalizada, as suas finanças ficam comprometidas, tanto as pessoais como as do seu negócio.

Por isso, se você não sabe por onde começar para colocar as coisas no lugar, fique com a gente. Vamos te dar dicas práticas para que você possa aplicar hoje mesmo na sua oficina.

E depois disso, nunca mais você irá deixar o seu pró-labore ser o último na fila das coisas para resolver!

O que você precisa saber antes de calcular o pró-labore?

Apesar de ser muito comum, é errado: muitos empresários optam em não ter um salário fixo. Eles fazem isso por acharem que isso vai ajudar o próprio negócio a prosperar.

Assim, sempre que aparece uma necessidade eles esticam daqui, tiram dali e fazem pequenas retiradas do caixa da empresa para conseguir arcar com as despesas pessoais.

O problema é que com o passar do tempo, e os números que tendem a aumentar o valor dessas retiradas, as finanças podem fugir do controle.

Aí você já sabe, o rombo pode ser bem grande, resultando inclusive no fechamento da oficina.

Por isso você precisa fazer as coisas com método e organização. Siga as dicas abaixo para ter sucesso na definição de seu pró-labore.

1 – Separe as contas da empresa das pessoais

Com a nossa introdução já ficou claro qual deve ser o seu primeiro passo, antes de calcular o seu pró labore. Portanto, a partir de agora, se você ainda não faz, comece a fazer essa divisão: dinheiro da empresa é dinheiro da empresa. Suas retiradas, precisam ser formalizadas, para isso é que existe o pró-labore.

Bem, mas se você chegou até aqui é porque já deve ter entendido a importância de separar o dinheiro da empresa do pessoal. Agora, vamos ao que realmente interessa: como você vai saber o quanto pode ter de salário? Começamos com algo parecido com o que foi dito antes: seu dinheiro é o seu dinheiro!

2 – Saiba o quanto a sua oficina fatura por mês

Quando você conhece bem as finanças da sua empresa, ou seja, controla todo o dinheiro que entra e sai do caixa da oficina fica mais fácil saber como calcular o pró-labore.

Se você não tem esse controle na ponta do lápis, este é o momento para você mergulhar nos próprios números e descobrir.

Ninguém disse que seria fácil! Mas calma: você pode contar com a ajuda de seu contador. Ou designar uma pessoa para desempenhas esta função.

O investimento irá compensar, não tenha dúvidas.

3 – Defina um salário mínimo para chamar de seu

É importante que você saiba que no início dessa jornada, o ideal é que você defina um salário mínimo necessário para a sua sobrevivência. Liste todas as suas contas pessoais e deixe uma margem para pequenos imprevistos. Esse resultado deve ser o seu primeiro salário.

Depois, assim que as coisas forem se ajustando, você pode melhorar estes números. Lógico, sem deixar que essas retiradas afetem o caixa da empresa.

Na verdade é muito parecido com um emprego: você deve receber de acordo com aquilo que produz. Quando produzir mais e lucrar mais, poderá aumentar o pró-labore.

Por outro lado, quando não puder se dedicar o suficiente, deverá se contentar com o mínimo estabelecido. Mas de forma alguma deve ser menos do que isso.

Lembre-se também de analisar se algo nestas contas não pode ser enxugado. Para fazer o dinheiro render, cortes estratégicos valem ouro!

4 – Ao calcular o pró-labore, considere-o como custo fixo da sua oficina

Já falamos aqui no blog, mas sempre é bom reforçar. O seu pró labore deve seguir as mesmas regras financeiras que qualquer salário pago a um funcionário, ou seja: precisa estar incluso nos custos fixos da empresa.

Portanto, é um valor que você vai ter que considerar para definir o preço dos seus serviços.

Por isso, muita atenção neste momento. Afinal para não perder dinheiro e lucrar de verdade, saber definir o seu preço de venda é essencial.

E aí? Você está pronto para dar esse passo? Então, continue com a gente. Temos muito mais dicas em nosso blog para ajudar a sua oficina a crescer e prosperar. E você junto com ela!

 

Conta digital para oficinas

Tagged under: